NOTÍCIAS


 

Física – Cobra conceitos clássicos

Prof. Alexandre L. Moreno

 

Enem

Confirmando a tendência de crescente aprimoramento, tivemos no Enem 2016 a melhor prova dos últimos anos, pelo menos no que se refere ao conjunto de questões envolvendo Física. Em edições anteriores já se percebia um avanço no equilíbrio entre questões puramente conceituais e outras que exigiam algum trabalho aritmético, no grau de dificuldade e também na abrangência do conteúdo. A contextualização, que sempre esteve presente, foi utilizada de forma mais direta, sem textos muito longos. Faltava apenas uma proporcionalidade mais fiel entre os assuntos cobrados na prova e os seus respectivos pesos representados no programa de Física do Ensino Médio. Este último fator também apresentou avanços na edição mais recente do Enem. Se Ondulatória ainda apareceu com um peso maior do que a média, assuntos como Mecânica e Eletricidade foram representados de maneira mais adequada. É importante destacar que a presença constante do assunto “Energia e Potência” é uma característica marcante do Enem, assunto esse cobrado em todas as suas edições. A questão a seguir é um exemplo da última prova.

 

Não é mais uma prova de pura interpretação. As questões de Física exigem um amplo domínio conceitual, explorando pré-requisitos necessários para a sua resolução. Mantendo um grau médio de dificuldade, as recentes edições do Enem apresentaram uma ou duas questões de maior complexidade a cada ano, com assuntos mais específicos e menos conhecidos dos estudantes. A questão a seguir é um bom exemplo.

 

 

Fuvest

Há um consenso de que a prova de Física na Fuvest 2017 foi a mais difícil dos últimos três anos. Curiosamente, esse aumento na dificuldade ocorreu na 1ª fase e no segundo dia da 2ª fase, principalmente nas questões que exploraram a interdisciplinaridade entre Física e Matemática. Tais questões exigiram um profundo domínio de conceitos básicos, além de boa habilidade aritmética. Algumas questões apresentaram maior dificuldade no aspecto matemático do que nos conceitos físicos envolvidos. O exemplo a seguir ilustra bem esta situação.

 

De maneira geral, as questões foram muito bem elaboradas e abrangentes, cobrando os conceitos mais importantes do programa de Física, como já é uma tradição na Fuvest. Em ambas as fases a Física Moderna esteve presente, mas sem criar muitas dificuldades para os candidatos, já que as informações necessárias sobre esse assunto foram fornecidas no “Note e Adote” de cada questão. A questão a seguir é um bom exemplo.

 

 

Unicamp

Nas últimas edições da 1ª fase do vestibular da Unicamp as questões de Física apresentaram baixa complexidade e grande preocupação com a contextualização e a interdisciplinaridade. Assim, por mais que o enunciado da questão possa, em um primeiro momento, causar alguma dúvida, é certo que na resolução será utilizado um conceito físico clássico e muito conhecido. Um problema que vem se repetindo na prova de 1ª fase é o desequilíbrio na distribuição dos assuntos das questões. Mecânica tem sido o assunto mais cobrado, com uma proporção maior do que a média das outras provas.

Por outro lado, a prova de 2ª fase já está bem consolidada, com boa formatação e questões exigentes e trabalhosas. Em muitas ocasiões essa prova tem sido a mais difícil entre as provas escritas de Física. Outra característica marcante é a necessidade de realizar estimativas, exigindo do candidato mais do que uma sólida formação conceitual.

 

 

 

Vunesp

Mantendo a tradição, as provas de Física da Vunesp 2017, tanto a de conhecimentos gerais como a de conhecimentos específicos, apresentaram um grau de dificuldade mais baixo do que o dos demais principais vestibulares. A distribuição de assuntos foi bem tradicional, com Mecânica e Eletricidade como tópicos principais. As questões exigiram conceitos bem conhecidos e poucos cálculos. Os candidatos, durante os seus estudos, provavelmente resolveram questões muito parecidas com as que foram apresentadas na prova.

 

 

Unifesp

Assim como em anos anteriores, as cinco questões de Física no vestibular da Unifesp cobriram os conceitos mais importantes do programa do Ensino Médio, tornando a prova bem abrangente. Enunciados claros e bem feitos mostraram uma evolução na qualidade das questões. Mais uma vez a habilidade em cálculos aritméticos foi importante, já que muitas contas apareceram em todos os dez itens da prova. Mesmo assim, no geral a prova de Física da Unifesp 2017 foi um pouco mais fácil do que em anos anteriores. Enfim, uma prova clássica, abrangente e bem feita.