NOTÍCIAS - Curso Etapa promove Ciclo Etapa de Orientação Profissional sobre a carreira de Medicina

Curso Etapa promove Ciclo Etapa de Orientação Profissional
sobre a carreira de Medicina

 

No dia 7 de maio, o Curso Etapa realizou a segunda edição do Ciclo Etapa de Orientação Profissional 2019. Desta vez, o evento foi dedicado aos alunos que pretendem prestar vestibular para o curso de Medicina. 

Os palestrantes foram os médicos: Milton de Arruda Martins, professor de Clínica Médica Geral e coordenador do curso de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP); e Patrícia Tempski, Médica Pediatra e coordenadora de Ensino e Pesquisa do Centro de Desenvolvimento de Educação Médica da Faculdade de Medicina da USP.

Durante o evento, os convidados responderam às perguntas da plateia e compartilharam as experiências que tiveram ao longo da carreira.

Confira abaixo os destaques da palestra:

Vestibular

Atualmente, existem cerca de 340 escolas de Medicina no Brasil. Esse número de instituições não diminuiu a concorrência dos cursos mais famosos, como o da USP, mas atende aos estudantes que preferem estudar e residir no estado de origem.  “É importante que o candidato tenha clareza do que pretende fazer após a formação, pois existem escolas que são mais técnicas e outras mais voltadas à pesquisa científica”, ressalta Patrícia Tempski.

De acordo com Milton de Arruda Martins, o maior obstáculo pode ser o financeiro. Por isso, é importante que as decisões sejam tomadas em conjunto, com a participação da família. “Dependendo da especialidade, a formação pode levar até 11 anos. O estudante precisa fazer essa reflexão, pois a família pode passar por altos e baixos durante esse período e ele talvez tenha que sair da faculdade para trabalhar”, explica.

Por outro lado, as universidades dispõem de serviços de apoio multidisciplinares para evitar que o estudante abandone o curso. Portanto, o aluno deve ter ciência de que não está sozinho nesse período e que sempre poderá buscar ajuda.

Graduação no exterior

Os professores não recomendam que o curso de Medicina seja feito no exterior, a menos que o estudante pretenda atuar em outros países. “Quem quer trabalhar no Brasil precisa conhecer as complexidades do sistema de saúde brasileiro. A Medicina é uma profissão de observação, portanto, é necessário conhecer as nossas doenças tropicais, os métodos de tratamento e estar próximo aos médicos que trabalham em busca de soluções para combatê-las e erradicá-las”, aconselha Martins.

Para ser um bom médico, o profissional precisa...

- Gostar de pessoas;

- Gostar de ajudar as pessoas;

- Gostar de estudar, pois precisará se reciclar o tempo todo;

- Saber trabalhar em equipe, porque os tratamentos tendem a ser cada vez mais integrados, envolvendo profissionais de diferentes especialidades;

- Respeitar e aprender com os demais colegas: “o profissional mais importante desse processo é o enfermeiro, pois é ele quem cuida do paciente e acompanha de perto os progressos clínicos. Por isso, é fundamental que o médico e o enfermeiro tenham uma convivência amistosa e colaborativa”, observa Milton de Arruda Martins.

 

Na Área Exclusiva, você poderá assistir ao vídeo na íntegra. 

Voltar